21/07/14

Hinduísmo / História

Hinduísmo



O Hinduismo (Sânscrito: हिन्दू धर्म, Hindu Dharma, também conhecido como सनातन धर्म, Sanatana Dharma) é um conjunto de tradições religiosas originadas no subcontinente indiano, engloba muitas crenças, práticas e filosofias com incríveis detalhes. Postula a existência de um espírito transcendental denominado Brahman, cultuado sob diversas formas, tais como Brahma, Vishnu, Shiva ou Shakti. O "hinduismo", uma das mais antigas tradições religiosas do planeta passou por diversas transformações ao longo de sua história principalmente por influência dos Shramanas incluindo Buddha e Mahavira, e dos seis sistemas da filosofia Hindu (Darśana): Samkhya, Yoga, Nyaya, Vaisheshika, Purva Mimamsa e Vedanta. Hinduism: Wikipedia

Wikipedia: History of Hinduism.....Portal-Hinduism: Wikipedia.....Introduction to Hinduism / Hindu Wisdom.....List of Hinduism-related articles.....KumbhaMela.....
Dasa (Dravidian)- Wikipedia  Evolution of ancient Shramanic Jainism: Its modern Ethos..



O Hinduismo, ao contrário de outras religiões, não possui fundador nem é uma instituição religiosa oficial e não há qualquer hierarquia clerical como a da Igreja Católica Romana. O Hinduismo engloba um grande número de textos religiosos desenvolvidos ao longo de muitos séculos que contém diversas visões espirituais com orientações práticas para a vida religiosa. Entre esses textos, os Vedas e os dezoito Puranas incluindo os épicos Mahabharata e o Ramayana são considerados os de maior autoridade. O mais reverenciado é o Bhagavad Gita incluido no Mahabharata que contém as principais concepções desenvolvidas na era védica.
Wikipedia: Hinduism.....Bagavad Gita em português

O termo hinduísmo é complexo, pois consiste de várias correntes de pensamento que abrangem muitos rituais religiosos, bem como de diversas seitas e filosofias. Muitos Hindus veneram várias deidades, e as consideram manifestações de um único supremo espírito cósmico Brahman, no entanto, outros se concentram em apenas um conceito de Deus, como no Brahmanismo, Vaishnavismo, Shaivismo e Shaktismo. Embora a maior parte dos Hindus cultuem várias deidades esta religião é considerada monoteístaWikipedia: Portal do Hinduísmo.....Indian Religions
Nature Worship / Hindu Wisdom


Dharma (Ordem Cósmica) significa a ordem subjacente na natureza e na vida. Corresponde na religião e na espiritualidade ao caminho da verdade suprema.
Dharma é a base para as filosofias, crenças e práticas originárias da Índia. As cinco principais são: Hinduísmo (Sanatana Dharma), Budismo, Jainismo, Ayyavazhi e Sikhismo todas preservam a centralidade do Dharma. Nessas tradições, seres que vivem em harmonia com o Dharma chegam mais rapidamente ao Dharma Yukam, moksha, Nirvana (libertação pessoal).

Dharma, também, se refere aos ensinamentos e doutrinas dos diversos fundadores de uma determinada tradição, como Gautama Buda no Budismo e Mahavira no Jainismo. Quanto à doutrina religiosa e moral dos direitos e deveres de cada um, geralmente, Dharma pode se referir ao dever religioso, e também, significar ordem social, boa conduta, ou simplesmente virtude.
Wikipedia: Dharma .....Himalayan Academy / Four Dharmas.....Dharmaśāstra: Wikipedia

Links
Symbolism in Hinduism / Hindu Wisdom.....Hindu Scriptures / Hindu Wisdom..........
Hindu Art / Hindu Wisdom.....Beaux-arts et littérature (hindouisme) - Wikipédia
Hindu Culture I / Hindu Wisdom.....Hindu Culture II / Hindu Wisdom
Education in Ancient India / Hindu Wisdom.....Hindu Music / Hindu Wisdom
Hindu temple architecture,..... A Justiça e o Direito na Índia,..




História do Hinduísmo




Raízes históricas
As fontes do Hinduísmo remontam à pré-história (India aborigene) e estão associadas às reminiscências das Civilizações do Vale do Indo descritas nas tradições dos Shramanas e na religião Védica ou Brahmanismo (1900 - 500 AC). Também, a origem proto-Indo-iraniana do Hinduismo sobreviveu à ocupação dos Indo-Arianos na Idade do Ferro.
Mehrgarh, a mais antiga civilização urbana até agora conhecida floresceu entre 7000AC e 3300 AC.





As civilizações de Mohenjo-Daro e Harappa desenvolveram-se entre 3300 AC e 1700 AC, quando inexplicavelmente entraram em declínio. É provável que uma forte alteração climática causada por um terremoto nos Himalayas tenha desviado o curso do mitológico Rio Saraswati. Como a região tornou-se infértil os Dravidianos emigraram para o subcontinente indiano (suposta explicação para a ocupação Ariana)
Wikipedia: Timeline of Indian History
Wikipedia: Indo-Aryan migration
Wikipedia: Dravidianpeoples.....Wikipedia: Indo-Aryans
Mehrgarh: Wikipedia .....Wikipedia: India - Iran Relations
Synoptic table of the principal old world prehistoric cultures
Cultural Heritage Pakistan.....Proto-Indo-European language: Wikipedia..
.

..
As pesquisas arqueológicas da Civilização pré-védica do Vale do Indo não chegaram a qualquer evidência de atividade religiosa pública como a construção de grandes templos, porém há registros de que essa civilização não era totalmente secular. Em uma necrópole descoberta, apesar de não se encontrar nenhum elaborado funeral real, foram achados bens pessoais enterrados com os corpos que podem indicar que essas pessoas acreditaram em uma vida post-mortem e precisariam dessas coisas.
Historical Vedic religion
Proto-Indo-European religion: Wikipedia




Foram descobertas, também, muitas estatuetas de deidades femininas certamente relacionadas com a criação, a origem e a continuidade da vida, veneradas como personificação do princípio feminino da energia e do poder criativo.

No moderno Hinduismo, a contraparte desses símbolos é chamada Shakti. Estas estatuetas da "Deusa Mãe" poderiam ter sido cultuadas em casa ou, possivelmente, em algum grande templo público.
Os arqueólogos classificaram as antigas estatuetas das divindades femininas dravidianas em grupos de sete que remontam à civilização harappeana. Provável fundamento da crença Hindu em uma Deusa Mãe (Devi) representada em sete modos.




A figura, ao lado, representa um selo do Vale do Indo com a imagem de Pashupati sentado em posição ióguica. Também, foram encontradas esculturas de Pashupati com chifres sofisticados. Pashupati é comumente visto ao redor da criação sendo chamado o Protetor dos Animais e, é considerado no Hinduismo o protótipo do ascético Deus da Destruição, Shiva. No moderno Shivaismo, Shiva assimilou nomes, histórias e atributos não só de Pashupati, nome pelo qual ele é normalmente conhecido, mas, também, do Védico "Rudra". Pashupati é visto sentado na postura de meditação dos yogis, sugerindo que ioga ou contemplação interior foi um dos seus modos de descobrir os segredos da vida e da criação. Atualmente, as escolas Tãntricas do hinduísmo definem Shiva como Yogeshwara, Senhor do Yoga considerado o mestre do autoconhecimento. Outros vêem Pashupati como uma forma de Brahma. Existem, além disso, estátuas de Pashupati com três cabeças que parecem lembrar o Trimurti (Forma Tripla): Brahma - Vishnu -Shiva (Criador - Preservador - Destruidor) do Hinduísmo contemporâneo.


Literatura sagrada (Era Védica: 1900 - 500AC)
Os textos mais antigos da literatura hindu são constituídos pelos quatro Vedas: o Rig-Veda, o Sama-Veda, o Yajur-Veda e, o Atharva-Veda. Acredita-se que os Vedas foram revelados aos Saptha Rishis pelo próprio Ishvara e transmitidos por tradição oral, talvez, por 8000 anos(?)(Fisher).

O mais antigo livro dos Vedas é o Rig-Veda uma coleção de hinos poéticos utilizados em ritos sacrificiais na Religião Védica. A maior parte do Rig-Veda refere-se a oferendas a Soma que é tanto um alucinógeno como a própria divindade. Os deuses no Rig-Veda são principalmente personificações de conceitos cosmológicos, dividem-se em duas categorias: devas (deuses da natureza), tais como Indra deus dos deuses ("deus do raio e da guerra"), Agni ("fogo"), e Ushas ("alvorada"); bem como, Asuras, (deuses dos conceitos morais), tais como Mitra ("contrato"), Bhaga ("guardião do casamento") e Varuna ("senhor do Rta").

O Rigveda, narrado em versos pelos doze grandes rishis, é composto por dez Mandalas, mas existe uma variação significativa na linguagem e estilo entre os oito primeiros e os dois últimos.
Não é correto dizer que Indra e Varuna são os principais deuses, o Rigveda fala de um Único Deus (Ekam Sathyam Vipra bahuda Vadanthi). Os Vedas dizem que Deus, Ishvara ou Parabrahman não recebe atributos, é imutável e não tem origem nem fim.

O Rigveda descreve a gestão e a organização de toda a criação, atribui funções ou papéis de cada Deva. Há versos em louvor a Indra, mas os puranas explicam que Indra é o nome de uma função que pode ser ocupada por muitas personalidades. Em cada Manvantara Indra assume uma nova personalidade. Acredita-se que na próxima Manvantara, Indra encarnará o Rei Asura Mahabali. O Rigveda, também, explica a origem dos sons e da linguagem.
Wikipedia: Vedic Period... Vedas ... Vedic Sanskrit.....Vedic Chant.....Hindu Cosmology.Vedic texts (The Internet Sacred Texts Archive).....Vedic Civilization: Encyclopedia Britannica 1911.....Manu Smriti

Śhramaṇa (asceta, aquele que renuncia a vida social e se dedica ao autoconhecimento) 

A filosofia indiana é uma confluência de correntes Śhramaṇicas (Auge no Séc. VI AC) e Védicas que co-existiram e se influenciaram mutuamente. Os Śhramaṇas (Renunciantes, incluindo Buddha e Mahavira) desenvolveram uma visão pessimista da vida e consideraram o samsara (roda da vida ou devir) a principal causa do sofrimento. Fundamentaram-se em Ahimsa (Não violência) e em práticas ascéticas rigorosas. Desenvolveram a doutrina do Karma (Princípio de causalidade universal) e postularam Moksa, solução da problemática existencial (Liberação do sofrimento e da ignorância - samsara), também, consideram o renascimento algo indesejável.

Ao contrário, os Vedas apresentavam uma visão otimista de um mundo repleto de riquezas, e presumiam eficazes os rituais e sacrifícios executados como gratificação a certos deuses. O ideal Shramanico de mendicância e renúncia, de que a vida mundana é só sofrimento, que a liberação requer a renúncia dos desejos e que é necessário a retirada para uma vida solitária e contemplativa era totalmente oposto ao ideal Bramânico de uma vida ativa e ritualmente participativa. As concepções Védicas tradicionais sustentaram que o homem nasce com a obrigação estudar os Vedas, procriar e criar descendência masculina e executar os rituais e os sacrifícios. Somente na velhice ele poderia meditar sobre os mistérios da vida. O ideal de dedicar vida inteira à mendicidade é incompatível com todo o processo de vida social e suas obrigações.

A filosofia dos Shramanas devido às rejeições aos Vedas foi rotulada como darsana nastika ou filosofia heterodoxa. As seguintes crenças e conceitos formaram a base comum a todas as filosofias dos Śramaṇas:

• Negação de um Deus criador e onipotente.
• Rejeição aos Vedas como textos revelados.
• Crença na doutrina do Karma, e no Samsara (ciclo de reencarnações)
• Negação da eficácia de sacrifícios e rituais para purificação.
• Rejeição ao sistema de castas
• Crença em Ahimsa, renúncia e austeridades como purificação da alma para atingir moksa.

Ao final das contas, os conceitos filosóficos como Ahimsa, Karma, reencarnação, renúncia, samsara e moksa foram aceitos e incorporados pelos Brâmanes em suas crenças e práticas.
Wikipedia: Shramanas

Budismo

O budismo é uma religião indiana baseada nos ensinamentos de Sidarta Gautama, conhecido como Buda, floresceu durante os reinados dos imperadores Bimbisara, Ashoka, Milinda, e Kanishka, entrou em declínio e desapareceu na maior parte das regiões da Índia em torno do século 13, mas influenciou significativamente o Hinduismo e o desenvolvimento dos sistemas filosóficos Hindus.
No Império Maurya o budismo atingiu seu apogeu com a proteção do imperador Ashoka (304 AC-232 AC) que se converteu ao budismo após a Batalha de Kalinga, onde cerca de cem mil guerreiros foram sacrificados pela ambição de um ilusório poder, levando Ashoka ao questionamento dos valores existenciais.
Uma das razões atribuídas ao forte florescimento do budismo foi o apoio de governantes budistas como os reis de Magadha, Kosala, Kushan e do Império Pala. E, seu declínio está relacionado à retirada do mesmo amparo pelos reis simpatizantes e, principalmente, pelo desenvolvimento dos sistemas filosóficos Hindus (darshanas).
Com o declínio do Budismo na Índia, o Hinduismo ressurge revitalizado introduzindo hinos devocionais por influência do budismo, e concepções desenvolvidas pelos seis sistemas da Filosofia hindu: Samkhya, Ioga, Nyaya, Vaisheshika, Mimamsa e Vedanta.
No mesmo período, floresceram o Shaivismo e o Vaishnavismo, antagônicos, até a pretensa reconciliação promovida por Adi Shankara ao redor de 800 DC, dando origem ao Smartismo (síntese entre shaivismo e vaishanavismo).
Wikipedia: History of Buddhism in India

Movimento Bhakti


Bhakti (Devanāgarī: भक्ति) é uma palavra de origem Sânscrita que significa devoção a uma deidade particular ou forma de Deus. No Vaishnavismo, bhakti é associada a Vishnu ou uma de suas encarnações; porém, é igualmente aplicada a Shiva por algumas tradições de Shaivismo e para Shakti por algumas tradições de Shaktismo. O Movimento Bhakti foi desenvolvido fundamentalmente no sul da Índia e depois chegou ao norte ao fim do período medieval.
A recente consciência 'Bhakti' (Hare Krisna - Amor devocional a Deus) já era encontrada nos primeiros Vedas, especialmente em relação a deidades como Varuna. Formas mais claras de Bhakti começaram a se desenvolver durante o Período Épico e nos períodos Purânicos da história hindu. Textos como o Bhagavad Gita e o Bhagavata Purana contemplam o Bhakti Yoga como Caminho Devocional para a uma vida eterna de êxtase (Ananda).
Bhakti: Wikipedia .....Kabir: Wikipedia..... Narada Bhakti Sutra

Novo renascimento do Hinduismo
O movimento social e religioso Brahmo Samaj fundado em Kolkata em 1828 por Raja Ram Mohan Roy foi influenciado pelo pensamento ocidental e levou ao surgimento da religião Brahmo em 1850 por Debendranath Tagore pai de Rabindranath Tagore.
A Arya Samaj (Aryan Society or Society of Nobles) foi um Movimento Hindu de reforma fundado por Swami Dayananda, sannyasin que acreditou na infalibilidade dos Vedas. Dayananda defendeu a doutrina do karma e da reencarnação e enfatizou, também, os ideais de brahmacharya (castidade) e sanyasa (renúncia).

Sri Ramakrishna e seu discípulo Swami Vivekananda promoveram uma grande reforma do Hinduísmo no final do século XIX influenciando Rabindranath Tagore, Gandhi, Subhas Bose, Satyendranath Bose, Megh Nad Saha e Sister Nivedita. Seus ideais e concepções influenciaram, também, numerosos indianos e não-indianos, hindus e não hindus. Râmakrishna, His Life and Sayings by F. Max Müller [1898]

Partição da Índia
A Partição da Índia levou à criação em 1947 de dois Estados soberanos: o Paquistão (onde se encontram os principais sitios arqueológicos das antigas civilizações do vale do indo) e República da India.
Também, se refere à divisão da província de Bengala britânica na Índia paquistanesa (mais tarde Paquistão Oriental, atualmente Bangladesh) e o estado indiano de Bengala Ocidental, bem como a semelhante partição na região do Punjab da Índia britânica em Paquistão ocidental e o estado indiano do Punjab.
History of Hinduism: Wikipedia
 
Links
The Harappan Civilisation
The Myth of the Aryan Invasion of Ancient India: David Frawley
Religion in ancient Greece: Wikipedia.....
Indus-Sarasvati Resources Index .....Sarasvati River: Wikipedia
Harrapa and Indus Valley Civilisation at harappa.com
Indus Valley Civilisation: indohistory.com .....
An invitation to the Indus Civilisation (Tokyo Metropolitan Museum)
Cache of Seal Impressions Discovered in Western India
Monuments of India.....Timeline of Indian Philosophy
Indian Society and Thought before and at the Time of Buddha: Alexander Berzin